Sustentabilidade: um conceito cada vez mais valorizado pelos brasileiros

 

Pesquisas apontam que as pessoas têm norteado suas decisões de consumo em função do uso racional dos recursos naturais e do respeito ao meio ambiente. Esse comportamento tem influenciado o mercado imobiliário, que já traz projetos com diferenciais sustentáveis.

 

Sustentabilidade, um conceito que vem sendo cada vez mais compreendido e valorizado pelos brasileiros. O que permite essa análise é a pesquisa Estilo de Vida Sustentável, de 2015, realizada pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), em conjunto com a agência global Havas. O estudo revela que 85% da população entende que o progresso não está em consumir mais, mas em consumir melhor.

 

Essa maior conscientização tem impactado nas decisões de consumo e cada vez mais pessoas têm optado em investir um pouco mais para agredir menos o meio ambiente, gerando assim uma economia maior no futuro. Essa lógica já existe, por exemplo, no mercado imobiliário. Um levantamento realizado pelo Datastore Mercadometria e Pesquisa de Mercado, entre 29/3 e 1º/4 de 2017, com 22.090 famílias goianienses, com renda a partir de R$ 10 mil, aponta que quase metade da população (42,12%) está disposta a investir em diferenciais sustentáveis em suas residências.


Entre os itens destacados estão estação para coleta seletiva de lixo (59%), cobertura verde e árvores frutíferas nas áreas comuns (46%), sensores de economia de energia elétrica (44%), sistema de reaproveitamento de água das chuvas (41%) e iluminação em LED (40%). Aproveitamento da energia solar (39%), torneira com temporizador em áreas comuns (35%) e elevador ecológico (33%) também foram mencionados.

 

Para Rafael Rabelo, gerente comercial da Consciente Construtora e Incorporadora, a sustentabilidade é formada pelo tripé meio ambiente, envolvimento social e economia. “Investir em sustentabilidade vai além da preocupação com o meio ambiente. Esse envolvimento tem que gerar repercussões sociais e econômicas, trazendo na prática uma conscientização diária sobre o uso dos recursos naturais e também a redução de gastos em casa e no condomínio. Assim, se ajuda o planeta, conscientiza-se pessoas e gera-se benefício financeiro”, afirma.

 

É esse um dos argumentos que direcionou a escolha dos diferenciais sustentáveis incluídos no próximo lançamento da Consciente Construtora e Incorporadora, que será no Setor Bueno. O empreendimento, com lançamento previsto para setembro, será erguido no encontro das ruas T-29 e T-44 e incluirá área verde de 947,89 m², equipada com pomar, horta e outros itens inéditos num condomínio residencial.

 

Com nome intitulado de Gaia Consciente Home, inspirado na mãe terra – a mãe natureza, o conceito do produto foi pensado para resgatar à naturalidade ao dia a dia das pessoas, unindo qualidade construtiva e diferenciais sustentáveis com uma excelente localização e a facilidade de diversas conveniências por perto. Além disso, o empreendimento terá como um de seus diferenciais um teto verde com árvores frutíferas e aproveitamento de energia solar, gerada através de placas fotovoltaicas. Iluminação em LED nas áreas comuns, sistema de reaproveitamento da água das chuvas, bicicletário, fachada contemporânea com madeira ecológica e torneiras com reguladores de vazão e arejadores estão entre os outros destaques do produto. Ao todo, serão 37.077,48m² de área construída, traduzidos em uma torre de 36 pavimentos, 33 deles habitáveis, com 132 apartamentos.

 

Economia

De acordo com a arquiteta e analista de projetos da Consciente Ariene Ferreira, a utilização de torneiras com reguladores de vazão e arejadores serão instaladas em todas as unidades entregues. “Esses dispositivos podem reduzir o consumo de água nas torneiras em até 60%”, informa a arquiteta. Ela ressalta que a economia de água será uma das premissas do projeto, que prevê a instalação de sistema de aproveitamento de água das chuvas. “Toda água coletada será direcionada para irrigação dos jardins, pomar e horta, gerando economia para o condomínio”, reforça.


O residencial também irá aproveitar a luz solar para geração de energia elétrica. “Placas fotovoltaicas serão instaladas na cobertura do empreendimento, que também terá teto verde. A luz captada irá gerar eletricidade que será revertida em economia para o condomínio”, observa Ariene.

 

De acordo com o engenheiro eletricista da Consciente, Eric Tomo, a construtora optou por incluir lâmpadas de LED no projeto por serem até 50% mais econômicas que as fluorescentes. “Tudo isso sem que haja perda da qualidade da iluminação. Além disso, a vida útil de uma LED é de até 50 mil horas, enquanto as fluorescentes duram 10 mil". Segundo ele, para reforçar a economia de energia, sensores de presença serão instalados nas garagens e halls das áreas comuns.

 

Interação com o verde

O paisagismo do lançamento é assinado pelo renomado arquiteto Guilherme Takeda, que destaca a adoção de pomares e hortas nos condomínios, o que tem sido uma tendência mundial em grandes projetos residenciais. “Paris e Nova Iorque, por exemplo, já instituíram por lei os descontos nos impostos de condomínios que implantam hortas urbanas. A cidade do Rio de Janeiro faz isso com qualquer iniciativa sustentável nos condomínios. Tóquio já produz alimento para 700 mil pessoas em sua área urbana. Embora seja uma novidade em Goiânia, isso já é uma realidade em várias partes do mundo”, frisa o paisagista.

 

Pomar em casa

Com 637 plantas, de 58 espécies distintas, o projeto inclui um total de 36 árvores frutíferas. Takeda explica que o projeto paisagístico está baseado no conceito da biofilia, que se traduz em atrair pessoas para perto da natureza por meio da vegetação, da sombra, dos aromas e da sutileza das cores das plantas, que se transformam em cada estação. “O homem veio de um meio naturalmente verde e é nele que relaxamos e nos sentimos bem”.

 

De acordo com Takeda, o projeto é sustentável em vários aspectos. “Ele é sustentável por diminuir a incidência de calor para a atmosfera, diminuindo a ilha de calor do entorno. É um fator econômico na medida que evita o gasto de combustível fóssil para os moradores procurarem locais com natureza nas suas horas vagas. E é social na medida que possibilita a inclusão de diversos prestadores de serviço na manutenção desta natureza exuberante”.

 

O projeto ainda colabora para que haja integração entre os futuros moradores, como sugere a tendência de incorporação de áreas verdes por condomínios verticais. O convívio é uma ciência que vem se desenvolvendo a cada dia nos condomínios. Hoje existem empresas especializadas em aproximar vizinhos para o bom convívio. As nossas áreas de lazer estão recheadas para a aproximação das pessoas, deixando para trás os Ipads, smartphones e computadores e séries de Tv para trás. Viva o convívio”.

 

Para que isso dê certo, o arquiteto e paisagista selecionou árvores de grande porte para promover sombreamento e outras espécies frutíferas e nativas também farão parte da composição, como pés de romã, acerola e pitanga. Além de alegrarem as crianças, vão atrair pássaros nativos da região para o condomínio.